Arquivo para o  marcador' Linguistics'

A summary (Ph.D. thesis).

Publicado sob a(s) categoria(s) Linguistics,Notices em 11 de December de 2016

Now I entered at the last formal year of PhD. Here is an explicative Summary for my thesis. It can have little changes, but the subjects and relations are exactly what I am working on my research.

I already started to write it.

*** *** ***

Summary:

 

Introduction

Pāṇini beyond Chomsky.

Pāṇini’s grammar is not a Chomsky’s generative grammar.

Aṣṭādhyāyi and formal grammars.

 

Chapter 1

What kind of formal grammar is Aṣṭādhyāyi?

Pāṇini’s technique of grammar.

Sūtra as a way of formalization.

Translation and commentary of some sūtra(s) [examples].

 

Chapter 2

Indo-European Linguistics contributions to formal grammar.

Indo-European Laws and Aṣṭādhyāyi.

Aṣṭādhyāyi as a model of grammar for Indo-European languages.

Translation and commentary of some sūtra(s) [examples].

 

Chapter 3

Aṣṭādhyāyi as an example of Dependency Grammar.

Could Aṣṭādhyāyi works as a Universal Dependencies framework?

Pāṇini’s technique of grammar and Model Theoretic Syntax (MTS).

Translation and commentary of some sūtra(s) [example].

 

Chapter 4

Pratyāhāra sūtra and speech analytics.

Pratyāhāra sūtra as a model for Phonetic Alphabets.

Pratyāhāra technique to other languages.

Translation and commentary of some sūtra(s) [example].

 

Chapter 5

Aṣṭādhyāyi’s metalanguage as a system of notation (code).

Phonetics in Aṣṭādhyāyi, an analysis.

Morphology in Aṣṭādhyāyi, an analysis.

Syntax in Aṣṭādhyāyi, an analysis.

Morphosyntax in Aṣṭādhyāyi, an analysis.

Translation and commentary of some sūtra(s) [example].

 

Appendix 1

Toward a new theory of grammar based on Pāṇini’s grammar.

 

Appendix 2

Aṣṭādhyāyi and a new approach to machine translation.

 

Appendix 3

Taking Universal Grammar seriously.

 

Conclusion

 

PS: Here you can see it in pdf: summary-thesis

 

 

 

Nenhuma resposta

New approach to formal grammars. (Doktorandem výzkum)

Publicado sob a(s) categoria(s) Linguistics,Philosophy,Science em 25 de October de 2015

This is the Introduction of my Ph.D. research project. Soon I’ll post the whole project in pdf.

 

New approach to formal grammars: Pāṇini’s grammar as an answer.

 

The form is the possibility of the structure.

L.Wittgenstein (T.L.Ph., 2.033)

 

 

Introduction.

 

Since Noam Chomsky said the Pāṇini’s grammar (PG) is a “generative grammar, in essentially the contemporary sense of this term” (1965: v), a new perspective in the studies of Aṣṭādhyāyī has appeared. Some linguists trained in PG have been asserting  the link between PG and generative grammar at least since 1965, even assuming that PG is within a specific hierarchy of the Chomsky Hierarchy[1]. But none of them ever questioned the Chomsky’s theory, on the contrary, just accepted it and have applied it to PG its whole framework, however, “the generative perspective has misled linguists concerning the properties of natural language” (Pullum: 2003).

The formalization of grammars has been very restricted to what we call generative frameworks, and these frameworks have been considered theoretically important for any description of natural language without proving empirically its efficacy. It is like saying that for the formal grammar have its potential proved, it has to pass through an analysis of a generative framework, known as mathematical foundations. PG has been a victim of Chomsky’s theory since his declaration. When some linguists trying to apply these new models of framework to PG to prove that PG can be one kind of generative grammar, we see two mistakes: first, to turn PG’s framework to generative framework (something that contributes to PG to lose its linguistic potential); second, to lose the oportunity to challenge Chomsky’s theory with a grammar that describes a language (Sanskrit, in this case) with total efficacy, and empirically.

My research goes in this new perspective, not trying to demonstrate that PG is one kind of generative grammar, but to prove that PG’s method is efficient for describing any natural language. PG will be proved as a model grammar, meaning that it can be applied at least to every natural language in the Indo-european family. This approuch implies two important points: outdo the Chomsky’s theory of grammar (note that I am discussing grammars, not languages); provide a framework completely linguistic for description of languages (avoiding mathematical foundations). With the second point is possible to affirm that PG can even be a model of grammar for Natural Language Processing (NLP).

If a generative grammar is a “system of rules that in some explicit and well-defined way assigns structural descriptions to sentences” (Chomsky, 1965: 8), the grammar of Pāṇini could be considered a generative grammar, but the main problem to consider it as this kind of grammar is that for Pāṇini the objects that linguists investigate (words, phrases, clauses, sentences, lexemes, syllables) are real and have a real structure, than “merely structures imposed on them or posited for them by linguists” (Pullum:2007). The PG is known as saṃjñaka vyākaraṇa, a grammar of categories of technical terms (Kapoor, 2005:70). For Pāṇini, to generate a language (Sanskrit), one grammar firstly must describe it, and if its description is not real, the generation is not effectual. In the end, PG exposes the mistakes that have been investigated by generative linguists.[2]

[1] See J.F.Staal, “Context-Sensitive Rules in Pāṇini” (1965); and M.D.Hyman “From Pāṇinian sandhi to finite state calculus” (2007).
[2] My research has the support of all the examination made by Geoffrey K. Pullum and András Kornai regarding the mistakes of generative grammars and Chomsky’s theory, as well as parts of the Cognitive Linguistics, Geoffrey Sampson for example.

Nenhuma resposta

An anecdote on Chomsky’s linguistic theory.

Publicado sob a(s) categoria(s) Linguistics em 19 de March de 2015

Sometimes you can find some “gaps” in the theories or even in the progress of these theories involved in your research. They become an anecdote about that theory. I’ve found an anecdote about the development of Chomsky’s theory, Generative Grammar, linked with my research. Perhaps the scholars know it – I am not sure.

 

There is one famous linguistic classification in Chomsky’s theory, “deep structure and surface structure”, which fell down in the last development of the theory known as Minimalist Program, that could be adjusted years before and have put the theory in advance in a way that is dealt today. In 1965, Noam Chomsky wrote in the preface of his book Aspects of the Theory of Syntax that Pāṇini’s grammar (Aṣṭādhyāyī) is a “generative grammar, in essentially the contemporary sense of this term”. If someone developing a new theory bumps into a work that delineates the same theory, he should study carefully this work before giving a next step. It seems that Chomsky never did it in respect of Pāṇini’s grammar, which made him to lose time in the discovery of some details of the new concept of his theory.

 

Concerning deep and surface structures, or syntactic-semantic relations, in 1969, Paul Kiparsky and J.F. Staal wrote the paper Syntactic and Semantic Relations in Pāṇini, where they compare the kāraka’s system with those deep and surface structures, their conclusion is:

 

“It seems that the general form of Pāṇini’s syntatic rules and levels is in fact rather difference from those of a generative grammar. In the theory of Chomsky, deep structures and surface structures have the same formal properties. Both are represented by trees with labeled nodes and ordered branches. The set of deep structure categories (Sentence, Noun Phrase, Verb, Phrase, etc.) is a subset (perhaps a proper subset) of the set of surface structure categories. For Pāṇini, on the other hand, each category belongs to one and only one level.”

 

And before they noted:

 

“For Pāṇini […] the constituents of a sentence are all on a par, with no further hierarchical structure.”

 

It was only in 1995 that Noam Chomsky’s paper Bare Phrase Structure brought in the same conclusions seen in Pāṇini and noticed by Kiparsky and Staal in 1969, so twenty six years later. In the paper is noted:

 

“A linguistic expression of L is at least a pair (π, λ) of this sort and under minimalist assumpions, at most such a pair, meaning that there are no ‘levels of linguistics structure’ apart from the two interface levels PF and LF; specifically, no levels of D-structure or S-structure.”

 

OBS: the terms D-structure and S-structure are respectively deep and surface structures, the terms PF and LF are phonetic form and logical form.

 

All the changings of the last part of the theory MP were conceived in respect of the goal “to explain how it arises in the mind of the speaker the problems of descriptive and explanatory adequacy” (1995); but as regards the changings, MP also brought in a new ‘computational system’, in which all the phrase structure rules and X-bar theory was criticized and ‘rewritten’, what was responsible for some changings in the theory of context-free languages and grammars, part of the area of NLP.

 

For Pāṇini, a structure could never be seen as deep and surface, but on pairs in one unique level. What makes the structure (syntax) much more “computable”. Twenty six years of delay, therefore, could be very useful for the development of Chomsky’s theory, in the end all area of natural language processing could be affected.

 

Appendix.

 

But more than this, in the paper (1995), Chomsky ensures:

 

“The basic assumption of the P&P model [Principles and Parameters] is that languages have no rules at all in anything like the traditional sense [of his theory] and no grammatical constructions except as taxonomic artifacts”

 

However, Kiparsky and Staal (1969) noted:

 

“It has been said that Pāṇini’s method was taxonomic […], the kāraka theory suggests not only that such statements are untrue, but also that Pāṇini’s treatment of syntax and semantics presents analogies to various aspects of several modern linguistic theories, whithout being directly identifable with any of them”.

 

What Chomsky calls Principles and Parameters model is exactly what Pāṇini calls Sāmānya (general) and Viśeṣa (particular) and all his grammar is delineated with them. If Chomsky had studied the Aṣṭādhyāyī in 1965, maybe he could advance his theory and avoid some mistakes the theory has.

 

PS: If you want to read a very good critical paper about Chomsky’s Minimalist Program, read The Structure of Unscientific Revolutions, Shalom Lappin, Robert D. Levine and David E. Johnson, 2000 (on web). The papers I quoted here can be found on web.

Nenhuma resposta

Sanskrit Phonetics and Devanāgarī literacy (a course).

Publicado sob a(s) categoria(s) Linguistics,Sanskrit em 23 de September de 2013

SANSKRIT2

I would like to invite you to the course on Sanskrit I will teach in this school year at Charles University, Prague. The course is an opportunity for everyone who wants to learn this language. The examples will come mostly from Yoga ancient texts and the course is very useful for those who practice Yoga or have any interest in the Sanskrit culture. It is also an opportunity to see and deal with a very scientific alphabet, in the same way which all the ancient grammars and scholars have been teaching it since thousand years. The course will be taught in English.

 

The course will start at October 3rd. Every Thursday at 9:10 am, in the room 102.

The address:

Charles University, Institute of Comparative Linguistics

Celetná 20

116 42 Prague 1

 

Here is the course description:

 

The aim of this course is to learn the Sanskrit phonetics in its two modalities, Vedic and Classic, by three traditional works: Taittirīya-prātiśākhya (Vedic), Aṣṭādhyāyī of Pāṇini (V B.C., Classic) and Harinamāmṛta Vyākaraṇa of Jīva Gosvāmi (XIV A.C., Classic). The course will make you learn the traditional alphabet as well. By the end of the course you will be able to recognize all the phonemes, write and pronounce exactly the Sanskrit words in the devanāgarī script.

 

Course plan:

1)    Sounds of Vedic Sanskrit and differences between Vedic and Classic.

2)    The characteristics and differences among the three works.

3)    Simple vowels, in its script (devanāgarī).

4)    Diphthongs.

5)    Consonants, first group.

6)    Consonants, second group.

7)    Consonants, third group.

8)    Consonants, fourth group.

9)    Consonants, fifth group.

10) The Pāṇini’s alphabet.

11)  Peculiarities of the Sanskrit sounds (Phonology and Indo-European studies).

12)  Some euphonic combinations (sandhi technician).

 

Activities:

Written activities with one written test at the end.

 

Bibliography:

MACDONELL, A.A. A Vedic Grammar for Students. Delhi, D.K.Printworld’s, 2005 (1916).

DAHIYA, Yajanveer. Panini as a Linguist: ideas and patterns. Delhi, Eastern Book, 1995.

WHITNEY, W.D. The Taittiriya Pratisakhya. Delhi, Motilal Banarsidass, 1973 (1871).

VASU, S.Ch. The Ashtadhyayi of Panini. Delhi, Motilal Banarsidass, 1997 (1891).

GOSVAMI, Jiva. Tr. Swami Purushatraya and Yadu Dasa. Harinamamrta Vyakarana. (non-published).

2 respostas

Um jesuíta compreende Pāṇini.

Publicado sob a(s) categoria(s) Linguistics,Sanskrit em 23 de August de 2012

Eis um post bem específico, mas não menos interessante – creio.

 

O estudo da linguagem, até o século XVIII, tinha como modelo as gramáticas do latim e do grego, e as gramáticas vernáculas eram escritas a partir delas. Isso só começa a mudar com as missões jesuíticas no Oriente, uma época muito fértil na descoberta de estudos e novas formas de se observar uma língua. A carta escrita pelo padre jesuíta Jean-François Pons, em 1740, enviada ao amigo du Halde, em Paris, é um excelente exemplo da época áurea destas descobertas. Nela encontramos a primeira menção a Pāṇini (Pania) e uma descrição exata da gramática tradicional do sânscrito; a esta altura, Pons já tinha começado, em 1738, a escrever sua gramática de sânscrito em latim.

 

Esta gramática foi estudada, mais tarde, por grandes filólogos do século XIX, tais como A.L. Chézy (fundador do curso de sânscrito no Collège de France) e Franz Bopp.

 

Eu traduzo e comento esta carta na minha dissertação de mestrado, no primeiro capítulo.

 

Aqui, coloco o terceiro parágrafo adaptado, o mais gramatical deles:

 

Está publicada em Lettres édifiantes Et Curieuses, écrites Des Missions Étrangères, par quelques Missionaires de la Compagnie de Jesus, XXVI, II, pag. 39.

 

Il est étonnant que l’esprit humain ait pu atteindre à la perfection de l’art qui éclate dans ces grammaires. Les auteurs y ont réduit par l’analyse, la plus riche langue du monde, à un petit nombre d’élémens primitifs, qu’on peut regarder comme le caput mortuum de la langue. Ces élémens ne sont par eux-mêmes d’aucun usage, ils ne signifient proprement rien ; ils ont seulement rapport à une idée, par exemple Kru à la idée d’action. Les élémens secondaires qui affectent le primitif, sont les terminaisons qui le fixent à être nom ou verbe ; celles selon lesquelles il doit se décliner ou se conjuguer, un certain nombre de syllabes à placer entre l’élément primitif et les terminaisons, quelques propositions, etc. A l’approche des élémens secondaires le primitif change souvent de figure ; Kru, par exemple, devient, selon ce qui lui est ajoûté, Kar, Kra, Kri, Kir, etc. La synthése réunit et combine tous ces élémens, et en forme une variété infinie de termes d’usage.

 

 

É espantoso como o espírito humano pôde atingir a perfeição da arte que começou nestas gramáticas. Os autores reduziram a análise, da mais rica língua do mundo, a um pequeno número de elementos primitivos, que pode se considerar como a caput mortuum da língua. Estes elementos não são de nenhum uso, eles não significam propriamente nada, eles só relatam uma idéia, por exemplo Kru à idéia de ação. Os elementos secundários que afetam o primitivo são as terminações que o fixam em ser nome ou verbo, aquelas segundo as quais ele deve se declinar ou se conjugar, um certo número de sílabas para empregar entre o elemento primitivo e as terminações, algumas orações e etc. Com a aproximação dos elementos secundários, o primitivo muda muitas vezes de figura; Kru, por exemplo, devem, segundo este que lhe é acrescentado, Kar, Kra, Kri, Kir, etc. A síntese reúne e combina todos estes elementos e os forma uma variedade infinita de termos de uso.

 

 

Este é o parágrafo mais gramatical, onde Pons mostra que realmente conhecia a língua que descrevia em sua carta. Ele descreve aqui os élémens primitifs, ou dhātu, as raizes verbais, de onde se origina toda palavra declinada ou conjugada do sânscrito. O modo como descreve a estrutura da língua é exato. Estas raizes são, de fato, o caput mortuum da língua, o elemento da língua que não pode ser reduzido, que traz a ideia primária (e mais profunda). As raizes não podem ser expostas como palavras sem antes passarem por uma mudança morfológica. Y. Dahiya, em seu Panini as a Linguist, afirma, sobre estas raizes, que “Pāṇini has not defined the dhātu in his treatise. But he has listed 2014 roots under ten groups in an appendix called Dhātupāṭha (pg.100).”

 

Em todo caso, um bom exemplo para ter ideia como Pāṇini expõe estas raizes verbais, é o aforismo (sūtra) um do capítulo três da primeira parte de sua obra:

bhūvādayo dhātavaḥ  (I.3.1)

As raizes verbais [são] de bhū (ser/estar) em diante.

Um outro exemplo parecido, porém mais específico:

 

sanādyantā  dhātavaḥ  (III.1.32)

As raizes verbais [são aquelas com o afixo] san, do começo ao fim.

Ou ainda um outro, mais direto:

dhātoḥ (III. 1. 91)

Da raiz verbal.

Este é um adhikāra sūtra, um tipo de aforismo que “governa”, “lidera” outros.

 

Uso o próprio exemplo de Pons para expor, mais descritivamente, o que ele trata.

 

a) Peguemos a raiz verbal kṛ (Kru), que traz a ideia de ‘fazer’, ‘agir’.

b) Apliquemos a ela a estrutura morfológica que ele descreve no fim do parágrafo:

 

b.1) Substantivo:

kṛ > kar + ma + n > karman + 0 > karma =  as ações, as atividades (nominativo, singular)

 

b.2) Verbo:

kṛ > kar + o > karo + ti > karoti = ele faz, ele age (terceira pessoa, presente)

 

Das dez classes de raizes verbais sânscritas, que se encontram no Dhātupāṭha (coleção de raizes) da obra de Pāṇini, a raiz kṛ aparece nas classes primeira, sexta e oitava. Ela, portanto, sofre uma mudança (kṛ > kar) morfológica (na verdade, morfofonêmica) que é descrita como (as regras) vṛddhi e guṇa, colocadas no primeiro e segundo aforismos da obra Aṣṭādhyāyī – para vermos o grau de importância. Na última frase do parágrafo, Pons descreve a tecnologia da gramática sânscrita pela qual as raizes verbais, mediante a transformação morfofonêmica e estrutural correspondentes, dão origem a um número infinito de palavras – inclusive atuais. Uma tecnologia procurada por Willem von Humboldt no século XIX, e, mais tarde, por Noam Chomsky.

 

Quando Pons fica espantado com a perfection de l’art desses gramáticos, sendo Pāṇini o primeiro com uma obra escrita, podemos entender a diferença entre a gramática latina e sânscrita, assim como a importância desta para os estudos linguísticos.

 

 

 

Nenhuma resposta

Les français, português, saṁskṛtam.

Publicado sob a(s) categoria(s) Education,Linguistics em 11 de July de 2011

sanskrit-francais

Recentemente traduzi a carta do padre jesuíta francês Jean François Pons, considerada o primeiro documento formal que atesta a estrutura da língua sânscrita pelos europeus. É a carta direcionada ao padre jesuíta du Halde, de 1740. Antes achávamos que um primeiro documento formal dos estudos sânscritos pelos europeus teria sido o famoso discurso de William Jones, em 1788, depois de ter escrito, em 1786, seu The Sanskrit Language. No entanto, recentemente foi descoberta uma gramática de sânscrito escrita em latim, chamada Grammaticca Linguae Sanscretanae Brachmanum Indiae Orientalis, de 1660, de autoria do também padre jesuíta Heinrich Roth (encontrada por Arnulf Camps, e hoje preservada na Biblioteca Nazionale Centrale, Roma). Ou seja, logo após a descoberta da carta de Pons, descobriram a gramática de Roth. Mas a carta de Pons menciona ini, e a gramática de Roth, não.

Esta tradução estou editando para ser publicada em alguma revista especializada. Mas este trabalho me fez refletir sobre algo importante, e que – parece-me – faz com que os franceses tenham uma ‘consciência linguística’ melhor do que a nossa. Veja lá, a carta é de 1740. E sabe qual a dificuldade que eu, um brasileiro que lê francês, tive para lê-la?

Modéstia à parte, nenhuma. Nem para traduzi-la.

Bem, se eu consigo lê-la, imagina um garoto de um lycée francês…

E veja, peguei até um romance em francês mais atual, Le travail de l’huître, do escritor canadense Jean Barbe, e comparei-o com a carta de 1740, olhei todas as formas verbais de uma e de outro, as preposições, a sintaxe etc. Tudo igual. Quer dizer, temos a mesma sintaxe, tanto na carta de 1740, quanto no roman de 2008. O ponto ao qual quero chegar é o de tentar entender por que aqui no Brasil temos essa “gana” da inovação. E pior, por inovação entende-se, às vezes, reduzir a linguagem ao seu pior. Sim, porque linguagem pode não lidar com certo e errado, mas lida com melhor e pior. A linguagem é uma teknè, uma arte, um conhecimento que pode ser aprendido e ensinado.

E por que na França não vejo inovação da linguagem? Ou reduzirem-na ao seu pior?

Talvez porque os franceses tenham esta consciência de que a língua, sendo uma técnica, e esta técnica chegada ao seu patamar mais alto, deve ser preservada. Não como em um museu, preservada em formol, mas usada no dia a dia em sua forma mais excelsa.

Talvez por falta dessa consciência é que muitos aqui “empacam” ou chiam quando hoje se debruçam num texto machadiano, com toda aquela beleza sintática. Ou pior, quando exaltam como “língua da elite” o uso de uma língua mais cuidada, melhor construída, utilizando todos os recursos técnicos que sua tradição linguística pode nos dar.

Se não nos conscientizarmos, em bem pouco tempo, Machado não será conhecido pelos seus textos, nem Manuel pela sua poesia, e olha que nem falo de uma língua de 1740.

3 respostas

Ars Grammaticae – o modelo da gramática de Pāṇini.

Publicado sob a(s) categoria(s) Linguistics,Sanskrit em 14 de April de 2011

manuscrito-sanscrito

Antes de Pāṇini (VII a.C.), com a Aṣṭādhyāyī, vem Yāska (IX a.C.) com a Nirukta.

Pāṇini já trazia em sua gramática elementos que hoje reconhecemos em F. de Saussure:

tattvārtha: significado essencial; śabdārtha: significado-significante.

(No caso, se trata da teoria dos signos)

Sua gramática é escrita num sistema de 5 unidades:

varṇa: som;

akṣara: sílaba;

śabda: palavra;

pada: construção morfológica;

vākya: sentença.

Com 4 princípios que convertem elementos unitários em sentenças:

1) de seqüência e ordem;

2) linearidade;

3) controle centrípeto;

4) hierarquia de organização.

A construção morfológica é dada por três maneiras:

1) kāraka (sistema de casos)

2) samānādhikaraṇa (governo de equivalência)

3) anviti (concordância)

As palavras (śabda) no sistema de Pāṇini são divididas em 4 classes:

1) nāma (nomes)

2) ākhyāta (verbo)

3) upasarga (prefixos)

4) nipāta (indeclinável)

Alguns exemplos (Aṣṭādhyāyī):

– Regra Linguística:

स्वं  रूपं  शब्दस्याशब्दसंज्ञा

svaṁ rūpaṁ śabdasyāśabdasaṁjñā (1.1.68)

(Uma) palavra é significado e forma, não um termo técnico (lingüístico).

– Regra morfofonêmica:

जसः शी

jasaḥ  śī (6.1.17)

(Depois de um pronome terminado) em a, ī (é substituído) por as.

– Regra sintática:

सपूर्वायाःप्रथमा विभाष

sapūrvāyāḥ prathamā vibhāṣa (8.1.26)

(Pronome depois) de Nominativo, a substituição é opcional.

– Regra morfológica:

धातुसम्बन्धे  प्रत्ययाः

dhātusambandhe pratyayāḥ (3.4.1)

Afixo (é empregado) em relação ao verbo.

– Regra de sandhi:

एचोऽयवायावः

eco’yavāyāvaḥ (6.1.78)

(As vogais) e, ai, o, au são substituídas por ay, āy, av, āv.

******

OBS: Não esqueci das perguntas do post anterior, mas se liguem na série “Ars Grammaticae”, uma hora eu venho aqui e respondo. Se querem ter uma boa noção dos estudos gramaticais mais recentes, leiam o excelente:

A revolução tecnológica da gramatização, de Sylvain Auroux.

4 respostas

Ars Grammaticae – o ensino da gramática no Brasil.

Publicado sob a(s) categoria(s) Education,Linguistics em 14 de March de 2011

lingua-portuguesa

Tudo no Brasil, no que diz respeito ao estudo da linguagem, de nossa língua, é feito de forma que as pessoas odeiem a gramática, ou pior, não sejam minimamente curiosas ao ponto de consultá-la. Isso vem de uma falha do ensino de língua portuguesa por aqui. E certamente do Ministério da Educação também, por insistir em determinar apenas uma forma de ensino do português.

(Foi o que o Pedro Sette tratou em seu post, e cuja solução estou de acordo.)

Mas quero apontar mais claramente esta falha. Saber de onde vem.

Quando uma pessoa me diz que já ouviu falar de uma “oração reduzida de infinitivo” e não sabe me descrever o fenômeno, é sinal que há um problema aí. Afinal, para que seu conhecimento da língua fosse maior, bastaria ela me dizer para que serve o fenômeno e saber quando imitá-lo (sim, isso mesmo, imitar) em seu uso, sem precisar, inclusive, da menção da nomenclatura. Ou seja, conhecem a nomenclatura sem a identificação de seu fenômeno correspondente. Isso é basicamente o que acontece com o ensino da língua no sistema determinado pelo Ministério: ele ensina nomenclaturas gramaticais. E isso tanto no setor público, quanto no privado. É lógico que há aí a consciência do professor numa sala de aula, de tentar reverter esse quadro o máximo que pode. Mas é tarefa hercúlea, o sistema contaminado exige que o professor ensine de maneira que seus alunos “se dêem bem” nas provas. (e educação no Brasil ainda é uma mera questão de “se dar bem”).

Já temos aí um dado importante: o sistema educacional brasileiro parte do princípio que o estudo da gramática (no molde imposto) faz com que o aluno escreva e fale melhor.

Pergunto: A gramática pode fazer você falar e escrever melhor? E de onde vem esta noção?

5 respostas

Magister dixit. (minha pesquisa para o mestrado)

Publicado sob a(s) categoria(s) Education,Linguistics,Sanskrit em 09 de December de 2010

panini-selo

1. Delimitação do tema.

Os historiadores situam a descoberta da língua sânscrita como um dos grandes fatores para o desenvolvimento do estudo da linguagem. A partir desta descoberta temos os estudos filológicos comparativos do indo-europeu, e daí uma ciência geral da linguagem, que se chamaria por fim de linguística; embora alguns tratados antigos de língua já tenham sido estruturados linguisticamente, fazendo com que certas teorias modernas sejam apenas um ‘retorno’ ao conhecimento dos gramáticos antigos. Alguns desses historiadores, como R.H. Robins, consideram o ano de 1786 um marco inicial da ciência linguística contemporânea, onde possivelmente teria se dado a primeira das quatro ‘rupturas’ significativas ocorridas no desenvolvimento do que hoje entendemos por estudos linguísticos. Aconteceu neste ano a famosa declaração no Royal Asiatic Society por William Jones que “o sânscrito, sem levar em conta sua antiguidade, possui uma estrutura maravilhosa: é mais perfeito que o grego, mais rico que o latim e mais extraordinariamente refinado que ambos” (ROBINS, 2004: 106). Aqui no Brasil, o nosso famoso linguista J. Mattoso Camara Jr., dedicou um capítulo de sua História da Lingüística ao sânscrito, dizendo que “os métodos e as concepções da gramática do sânscrito, que se encontravam em Pāṇini e seus seguidores, estimularam o espírito europeu no sentido de uma nova visão da linguagem” (CAMARA JR., 1975: 44).

Esta nova visão não se restringiu somente à linguística histórico-comparativa. O estudo do sânscrito deu origem a muitas análises de linguística sincrônica, já que as gramáticas originais desta língua abordaram praticamente todos os campos deste ramo. Os estudos linguísticos do sânscrito eram divididos em vyākaraṇa (análise linguística), śikṣā (fonética) e nirukta (etimologia), as três faziam parte de uma educação tradicional voltada para a linguagem chamada vedāṅga [1] (conhecimento auxiliar). Estes estudos, de acordo com Robins, podem ser considerados sob três aspectos: teoria linguística geral e semântica; fonética e fonologia; gramática descritiva (ROBINS, 2004: 109). Das obras linguísticas da época, a gramática Aṣṭādhyāyī (Oito Capítulos) de Pāṇini, este conhecido gramático do século IV a.C., foi o primeiro tratado científico de uma língua, e chegou a ser considerada por Bloomfield como “um dos maiores monumentos da inteligência humana” (BLOOMFIELD, 1984: 11). As regras são todas organizadas em pequenas sentenças, sūtra ou “fio”, que surpreendem por tamanha economia com que conseguem formular suas afirmações linguísticas. Da obra de Pāṇini e da vyākaraṇa saíram conceitos como o termo fonológico sandhi (usado por Mattoso Camara Jr. para explicar certos casos do português), o desenvolvimento de processos de formação de palavras, o estudo morfofonêmico[2], e a representação zero de um elemento ou categoria – familiar aos linguistas modernos. O processo descritivo de sua gramática, mais de dois mil anos depois, influenciou as análises que Saussure fez de certas palavras gregas, alguns importantes trabalhos do Bloomfield[3], e também sabe-se que a gramática gerativo-transformacional criada por Chomsky teve sua influência paniniana, porque em seu “trabalho de descrição, as regras são de tal modo ordenadas, que as últimas levam sempre em conta os resultados das primeiras. Isto permite obter maior economia no processo descritivo, o que era um dos objetivos primordiais da obra de Pāṇini” (ROBINS, 2004: 188).[4]

Por aqui, no ambiente de língua portuguesa, as influências não foram poucas e podemos destacar a contribuição dada por Julio Ribeiro (1911) de “inaugurar entre nós o uso do método histórico-comparativo na descrição do vernáculo”. (CAVALIERE, 2000; 52) Este gramático alinha-se aos trabalhos e métodos criados por William Dwight Whitney, de quem, por exemplo, tira a definição que abre sua Grammatica portugueza, “Grammatica é a exposição methodica dos fatos da linguagem”, e propõe, com base nas obras do Whitney, mudanças estruturais: “Em sintonia com essa definição e na esteira da proposta descritiva de Becker e Whitney, Ribeiro subdivide a sintaxe em léxica e lógica, aquela atinente ao estudo das palavras inter-relacionadas na oração, esta ocupada do estudo da estrutura das orações” (CAVALIERE, 2000; 54) Por sua vez, o filólogo e linguista Whitney, reconhecidamente, foi buscar em Pāṇini as bases para fundamentar o seu trabalho, chegou a escrever uma gramática de sânscrito (Sanskrit Grammar) e ainda uma lista das raízes verbais do sânscrito com suas conjugações inspirada claramente na obra Dhātupāṭhaḥ (Reunião das raízes verbais), de Pāṇini; obra de grande envergadura e até hoje muito estudada e difundida. E “o elenco de obras filológicas produzidas a partir do trabalho inaugural de Julio Ribeiro cria os fundamentos da moderna gramática brasileira, nos moldes em que, mutatis mutandis, até hoje se organizam” (CAVALIERE, 2000: 55). Logo depois surgem a Grammatica descriptiva, de Maximino Maciel, “cujo exitoso curso na práxis pedagógica conferiu-lhe onze edições conhecidas, a última em 1931” e uma obra como a Grammatica expositiva, de Eduardo Carlos Pereira, “exemplo típico de um trabalho pautado no método histórico-comparativo com algum legado da escola metafísica de Port Royal” (CAVALIERE, 2000: 57). O primeiro chegou a traçar comentários à obra de Franz Bopp, um dos responsáveis pelo surgimento da gramática comparada e da ciência lingüística, e eminente professor de sânscrito. Esta influência na língua portuguesa não pára por aí, tem o renomado Said Ali, que por sua vez foi colher nas teorias de um Berthold Delbrück, indo-europeísta cujo trabalho Vedic syntax chegou a arrancar elogios de Whitney, os elementos para sua obra; bem como as influências das obras de Max Müller, reconhecido estudioso do sânscrito, nesses gramáticos e linguistas do português. Portanto, temos as influências da obra de Pāṇini, direta ou indiretamente, não somente restritas às citações dos compêndios historiográficos, mas implícitas quase em toda trajetória dos estudos gramaticais e linguísticos do português.

Embora mais relacionada aos estudos histórico-comparativos e filológicos, a obra de Pāṇini já mostrou ter um universo de possibilidades nos estudos sincrônicos. E todos já atestados por grandes nomes da tradição linguística.

Sem deixar de lado a abordagem diacrônica, este projeto de mestrado tem a intenção de estudar “os métodos e as concepções” da gramática paniniana em particular, sua relação com as últimas teorias da Linguística, bem como mostrar as influências que a obra de Pāṇini gerou, direta e indiretamente, nos estudos gramaticais e linguísticos da língua portuguesa. Um projeto de estudos gramaticais, com a singularidade de se referir a uma das primeiras obras científicas da área, estudada sincrônica e diacronicamente, de forma que se possa demonstrar sua ligação com a língua portuguesa.[5] Quando possível, mostrar-se-á esquematicamente como seria e o que compreenderia a descrição da gramática portuguesa nos moldes paninianos, assim como a tradução, direta do sânscrito, das principais sentenças (sūtra) usadas na pesquisa.

2. Justificativa.

Ao longo de mais de dois séculos, desde que foi conhecida pelos europeus, a obra de Pāṇini vem influenciando direta e indiretamente os estudos da Linguística. Por aqui, no Brasil, fomos buscar na obra de J. Mattoso Camara Junior a dica para pesquisar esta relação dos estudos de língua portuguesa com a obra paniniana. Estudar uma obra desta envergadura, unindo-a à lingüística mais moderna e aos estudos de língua portuguesa, é procurarmos a base do que chamam hoje de ciência da linguagem. No caso de desenvolver uma pesquisa como esta na UFF, a maior justificativa seria o fato de empreendermos, pela primeira vez aqui no Rio de Janeiro, um estudo linguístico com esta especificidade e importância, não só para os estudos históricos da linguagem, mas também para as futuras pesquisas e análises teóricas dos estudos gramaticais, visto que a obra a ser pesquisada é ainda base para uma das últimas teorias linguísticas, no caso a gramática gerativa, e de grande importância para os estudos históricos e descritivos da linguagem.

3. Objetivo.

Numa época onde os estudos descritivos se focam mais nas descobertas recentes da linguística, distanciando-se aos poucos de suas bases, nossa pesquisa vem suprir a necessidade de colocar em vista estas bases e sua relação com todo o tipo de estudo descritivo e histórico da linguagem. Nossos objetivos específicos são: primeiro, a análise da obra paniniana (métodos e concepções); segundo, mostrar sua influência nos estudos gramaticais e linguísticos do português; terceiro, sua relação com as últimas teorias linguísticas.[6] Destes três objetivos principais, surgem dois outros, mais secundários, de mostrar como seria a descrição da gramática de língua portuguesa nos moldes paninianos, e a tradução do sânscrito das principais sentenças da obra estudada.


[1] Educação comparada ao trivium do Ocidente Medieval.

[2] “As descrições de Pāṇini compreendem a separação e a identificação de raízes e afixos, o que direta-mente inspirou o conceito de morfema da análise gramatical hodierna.” (Robins, p.117)

[3] Seu ensaio On Some Rules of Panini (1927). “Considera-se que o trabalho de Bloomfield Menomini morphophonemics foi buscar na obra de Pāṇini sua metodologia e inspiração.” (Robins, p.117)

[4] “De fato, minha tese de graduação foi uma gramática no estilo de Pāṇini, feita 2.500 anos antes (…)” (Noam Chomsky, entrevista, Mana vol.3 n.2 Rio de Janeiro Out. 1997).

[5] A pesquisa insere-se dentro das áreas de estudos descritivos da língua portuguesa e de historiografia da linguística, esta tanto geral quanto portuguesa.

[6] Nos objetivos específicos está implícito uma metodologia proposta pelo próprio Mattoso Camara, antes pesquisamos os métodos e concepções da obra de Pāṇini, depois sua influência nos estudos portugueses e por fim a relação com as teorias linguísticas, principalmente Sausurre, Bloomfield e Chomsky.

Nenhuma resposta

O que uma tradução mal feita faz. (yoga vs. união – Segunda Parte)

Publicado sob a(s) categoria(s) Linguistics,Sanskrit,Yoga em 23 de July de 2010

maos-dadas

Minha proposta aqui é o de rever a tradução de uma palavra em sânscrito (yoga) que gerou uma idéia filosófica diferente da que deveria gerar. Não tenho pretensão que ela seja aceita ou trocada pela que é adotada hoje, mas só a de acrescentar um significado mais exato, e que transpareça sua idéia filosófica original.

O significado comumente dado à palavra yoga é união. Não é isso?

Yoga, para muitos, é unir.

Mas o que é união? Já pensaram nisso?

Num dos tratados mais antigos de etimologia (em sânscrito), o Nirukta, é dito que:

नामान्याख्यातजानीति

nāmānyākhyātajānīti (1.12)

Os nomes derivam dos verbos.

Então, levando esta frase em conta, mesmo para o português, vamos ao verbo.

União = unir. O dicionário Aurélio coloca como primeira acepção para o verbo unir:

“Tornar em um só; unificar.”

Já no dicionário Houaiss a primeira acepção para unir é:

“Aproximar, formando um todo.”

E parece-me que o significado para unir mais aceito é este mesmo:

“formar um todo, tornar um só.”

Mas ambos os dicionários também colocam como acepção o verbo juntar.

Se formos lá no latim, encontraremos:

Unir vem de unire.

Juntar vem de jungir, que vem de jungere.

O conhecido Julius Pokorny, e seu Indogermanisches Etymologisches Wörterbuch, ou Dicionário Etimológico Indo-europeu, de 1959, definiu a diferença de significado dos dois verbos, e daí deduzimos que, originalmente, unir e juntar não significam a mesma coisa. Vejam como Pokorny classifica-os a partir do indo-europeu:

  1. i̯eu-, i̯eu̯ə-, i̯eu-g– > jungo, jungere, junxi, junctus – ‘jungir , juntar, atar junto’.
  2. oi-no-, oi-u̯o– >  unio, unīre – ‘unir, ser um’.

E aqui entra minha explicação etimológico-filosófica para a palavra yoga:

Yoga vem da raiz yuj (dhātu), que significa jungir, atar, juntar, originalmente.

Se traduzimos yoga como unir, união, falamos de duas coisas que se tornam uma só, e, portanto, perdem sua individualidade, perdem o “princípio” que as faz serem quem são.

Se a traduzimos como jungir, juntar, junção, falamos de duas coisas que se aproximam sem perder sua individualidade, sem perder esse “princípio”.

OBS:

A primeira acepção em inglês do dicionário Monier Williams para a raiz yuj é:

“to yoke”.

E no Dhātupāṭhaḥ (listagem das raízes verbais do sânscrito) sua única acepção é:

yoge“.

Percebem a semelhança? A única mudança foi a da letra gutural “k” pela gutural “g”.   

7 respostas

Artigos mais antigos »